Faça o seu PEDIDO DE MÚSICA

Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Associação orienta médicos sobre qual paciente escolher em caso de falta de leitos

A Associação Médica Brasileira (AMB) divulgou nesta sexta-feira (9) um documento com protocolos e orientações para médicos que sejam obrigados a decidir qual paciente deva receber tratamento em caso de falta de leitos de UTI ou escassez de equipamentos ou insumos.

A medida foi apresentada devido  alta taxa de ocupação de leitos por conta da Covid-19.


No documento, a AMB diz que o princípio mais sólido é o da priorização de pacientes com melhores chances de benefício e com maiores expectativas de sobrevida.

A alocação de recursos com base na ordem de chegada e uso de um único critério para a definição são considerados inadequados.

Além disso, a Associação cobra transparência sobre as decisões e comunicar aos pacientes e familiares sobre a existência do protocolo.


A médica do Hospital de Base e presidente Associação de Medicina Intensiva Brasileira (Amib), Suzana Lobo, participou da coletiva nesta manhã. “Não foi um documento fácil de ser feito, mas é consenso entre os médicos de que é preciso salvar o maior número de vidas.

Tomamos como base protocolos internacionais e convidamos diversos especialista da medicina e jurídicos para garantir que a distribuição de leitos seja justa, assim como é feita com vacinação contra Covid-19, que segue critérios específicos”, comentou.
A idade do paciente como critério para definição da utilização de leitos foi descartado pela AMB.

A Associação ainda destaca que as recomendações não são permanentes e que podem aperfeiçoamento com novas informações ou novos desafios sociais.


“O médico não é obrigado a seguir as risca as orientações, o que queremos é ter uma padronização e deixar recomendações para os profissionais que sejam obrigados a lidar com esse tipo de situação.

Pedimos também para que os gestores de hospitais tenham uma comissão de triagem. É importante ressaltar que a transmissão tem que ser parada fora do hospital.

Apenas abrir leitos não é solução”, afirmou Suzana.
O documento na íntegra pode ser conferido no site da AMB.

Dhoje

Deixe seu Comentário